Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Caracol

Um blogue pseudo-humoristico-sarcástico. #soquenão #ésóparvo

Senhora Dona Mamã, faxabore

Ora bem, parece que agora é de bom tom pedir autorização aos miúdos bebés para lhes trocar a fralda.

Sendo assim, eu Caracoleta Mamã, quero que o meu miúdo me peça autorização para:

- Pentear-me com as suas mãozinhas assustadoras e capazes de assassinar fios de cabelos, deixando poros dolorosamente viúvos pela cara metade. Com escova tudo bem, com mãos, senhor meu filho, é preciso autorização prévia e requerimento enviado por correio registado. E não há cá trocas a meio do penteado, é escova até ao final ou terás de questionar "Senhora Dona Mamã, posso usar agora aos mãos neste bocadinho de cabelo que ainda te resta?"

- Fazer birras. Imediatamente antes de se atirar para o chão a bracejar e espernear num lago de baba e ranho porque não o deixo ir de pijama para a escola, quero que o moço pergunte diligentemente: " Senhora Dona Mamã, posso fazer uma birra? Muito feia e muito grande? Por favor?" Assim é que é bonito e de menino bem educado, capaz de perceber o consentimento do outro.

- Sujar-se na lama. (aplicando a mesma regra das birras e sempre precedido do título 'senhora dona Mamã', que o respeitinho é muito bonito e está em vias de extinção)

De momento são as que me ocorrem. Qu'isto agora é tanta autorização entre pais e filhos que daqui a nada não temos lar nem família, temos repartições de laços entre seres com o mesmo ADN. Agora vou só ali terminar de preencher o impresso 156 do modelo 7, que preciso que o miúdo rabisque para lhe poder dar banho logo à noite. (Em miúdos até aos dois anos é o modelo 6, que é impresso num papel resistente à baba. De nada.)

Caracolinho

- Mamã, as vaquinhas têm leite? 
- Têm sim Caracolinho. 
- E os senhores puxam o leite delas? 
- Puxam, filho. Mas não deviam... 
- Pois não! Porque o leite delas é dos bebés delas.

Nunca lhe falei sobre a ordenha, já a sobre a segunda parte falámos pela primeira vez ontem. 
E nós? Quanto tempo mais precisaremos para perceber o mesmo?

Argumentos desarmantes

Estamos com um grupo de amigos, em amena cavaqueira, quando o chamo a atenção para finalizar o seu lanche TODO dada a impertinência anterior para o ter. Estou eu ali, a exercer o meu poder de mãe, a modular a minha voz de "bamby" para voz de comando num discurso sobre birras e terminar tudo o que pede sem deixar uma migalha ou gota. quando ele contra-argumenta de forma muito séria e sentida:

- Oh Mamã! Tu és tão linda!

Como é que se dá seguimento ao sermão depois disto?

Sobre o Carnaval

Em três anos, Caracolinho já foi mascarado de:

- Parolinho (vesti-lhe roupas com os mais variados padrões numa salganhada de cores, riscas e quadrados)

- Mini aspirante a fit (umas leggins, umas caneleiras em lã, sapatilhas, camisola justinha, toalha pelos ombros, uma garrafa de água catita, halteres com balões e 'tá andar)

Este ano e como sou muita fã do Carnaval (#soquenao) pensei em disfarça-lo de Wally. Super fácil: gorro vermelho, camisola às riscas vermelhas, calças ganga, óculos gigantones redondos. Um espétaculo.

Hoje de manhã enquanto falavamos sobre isso, responde-me do alto dos seus três anos:

- Não quero ir de Wally, mamã. Quero ir de pijama.

- Mas pijama não é bem difarce, Caracolinho.

- Mas eu queria... Posso?

Sai um Soneca para mesa do canto, faxabor, que no Carnaval pode-se tudo!

(E ainda por cima rápido de r€solver. Cá beijinho meu rico filho.)

Mamã, posso pentear-te?

Quando eu fui mãe, já todas as amigas o haviam sido. Já todas sabiam para o que ia e todas fizeram questão de me deixar indicações. 
"Vai ser maravilhoso! Vais cair para o lado de sono... Mas é maravilhoso!" 
Ninguém me mentiu ou pintou a coisa mais cor de rosa. E, em boa verdade, eu já sabia que isto é uma montanha russa e não um carrosel de cavalos alados. 
No entanto, o que eu quero mesmo saber é: 
Porque é NINGUÉM (reparem bem, nem uma alminha de boa fé) me disse que me iam tentar arrancar cabelos a fazer trancinhas. É que o moço diz "Mamã, posso pentar-te?" e toda eu estremeço, numa agonia pelo cabelo que ainda me resta. Chego a questionar-me se tem garras em vez de dedos, depois lembro-me que é gajo e portanto delicadeza é algo que geneticamente não lhe assiste. 
Mães deste mundo: não estão sozinhas. O meu cabelo também sofre. Estamos juntas.