Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Caracol

Um blogue pseudo-humoristico-sarcástico. #soquenão #ésóparvo

Mais não sei quantos tipos de Paleos

Depois de começar com isto ontem, escrito de rajada e num curto espaço de tempo, senti que ficaram muitos Paleos de fora. Não pode ser, porque a paleo adapta-se a todos e cada um faz a sua. Há categorias para todos. 

Posto isto e depois de Moisés, de Júlio César - o reencarnado, do Cro-Magnon da Foz e d' Carpideira (podem ficar a conhecer aqui) vamos a mais algumas classificações: 

 

O PaleoToupeira (definido por Luís Vieira de Melo)

Este paleo vive nas profundezas da terra (não mais que metro, metro e meio) e enquanto está soterrado por entre paleo coisos ninguém nota a sua presença. Caracteriza-se pelas curtas aparições sobre o solo em que a espécie PaleoGeneris diz algo como… “Oh.. tão fofinho”. Tipo… quando estás no Zoo e aparecem as lontras! Sim isso.. mas menos fofinho qualquer coisa. Permanece incógnito tudo o que por entre tuneis e cavernas se passa. O Paleo-Toupeira, caracteriza-se sobretudo por trilhar e escavar o seu caminho, deixando a cada 50cm um pedaço de chocolate negro indicador do caminho de retorno.

 

Lúcifer do Bem 

É o demónio encarnado e tem como único objectivo de vida testar a resistência das glândulas salivares dos comuns aspirantes a paleo. eu não sei, que nunca vi, mas há relatos de ecrãs de telemóvel e teclados afogados em baba à conta deste Paleo. Utiliza 46 farinhas diferentes para cada bolo, abusa do aspecto guloso dos queques, cria doces em copinhos a fazer lembrar o jardim do Éden e até os crepes salgados nos fazem jurar-lhe amor eterno. Tem a distinta lata de partilhar a sua mais recente obra satânica no exacto momento que devoramos um naco de carne cozida com couve lombarda a salivar por uma lasanha de vaca com extra queijo, levando-nos a uma loucura tamanha que damos connosco a lamber o ecrã só para provar o pecado sem passar pela cozinha. 

 

O Matemático 

 

 

eq.png

 

Não me perguntem o que é aquilo, sou de letras. Mas este Paleo garante que aquela é a receita para um bolo de chocolate e avelãs em camadas, com textura de chiffon, recheio de natas com toque de lima e amêndoa crocante e cobertura de chocolate finíssimo que se desfaz ao mínimo toque do fio da faca. 

 

 

O PaleoAccionista

Para este paleo a vida não é a preto e branco é em medidas percentuais. Tem dias que apenas investe 16.85% do seu tempo a alimentar-se bem, noutros perde a cabeça, esvazia os bolsos e aposta 86.3% no seu estilo de vida. Há dias em que é uma mistura de 74.65% e 25.35% de come-tudo-o-que-lhe-aparecer-à-frente. Outros ainda em que abre os cordões à bolsa e arremata a bolsa Paleolítica com uns incríveis 87.65% de paleo.

 

Paleo de Aljubarrota 

O sonho deste Paleo é abrir uma padaria do conceito. Adapta, cria, recria, inventa e revoluciona toda a palavra PÃO. Ele é de frigideira, ele é de forma, ele é alentejano, transmontano, de sementes, de alfarroba, de bagas, de queijo, de tostadeira. O seu cardápio de pão é maior que a ementa de francesinhas do Capa Negra e meia volta lá aparece com uns moletes de fazer salivar as pedras da calçada. 

 

O Pale(i)ador 

 

Este Paleo tem um motor de busca da Google incorporado na caixa craniana e as enciclopédias desde cedo fizeram parte do seu plano de leitura. Fala cientifiquês de forma fluente desde os três anos de idade e tem artigos estrangeiros ainda por traduzir como literatura de casa de banho. 

Qual é o nome cientifico do abacate? O Pale(i)ador sabe. O que é hiperventaminose? O Pale(i)ador sabe. Quem é a Leptina? O Pale(i)ador sabe. Gliconeogénese? Alguém? O Pale(i)ador sabe. Fosfoenolpiruvato? Seriam os fósforos do antigamente? O Pale(i)ador explica. O óleo de côco faz mal? O Pale(i)ador afiambra duas lamparinas bem aviadas para captar a atenção do pupilo e só depois responde com pacatez e sapiciência. 

 

A Escriba

Mais uma vez, as mulheres dominam uma categoria. Obviamente, não será por passarem mais tempo a cozinhar que os homens, mas sim para lhes encaminharem os seus desejos gastronómicos mais lascivos. Ao milésimo do milésimo de segundo da publicação do bolo dominical de Lúcifer do Bem, surge a escriba, caneta na mão, livro de receitas no colo, indicador no ar gritando a plenos pulmões: "RECEITA!" Algumas escribas, as mais preguiçosas, recorrem aos emojis em forma de pin ou de bloquinho e armazenam receitas na nuvem da Google. A receita, para elas, é o Santo Graal da paleo e têm uma verdeira adoração e sentimento de posse para com ela. Não sabem quando as vão fazer, não querem saber se já existem semelhantes, não lhes importa se estão a praticar lowcarb. É uma receita? QUERO! Para quê? AGORA! Vais fazer agora? DESPACHA-TE! 

Quando finalmente a receita é publicada, a Escriba (a verdadeira, que copia receitas para papel com ajuda de uma caneta) guarda-a religiosamente no seu caderno receitas, de olhinhos brilhantes e mãos trémulas, coração aos pulos de contentamento enquanto sussurra: "My precious" com voz rouca e embargada pela emoção. 

 

Bem mais compostinho, hã? Dou como terminada esta árdua tarefa de caricaturar os Paleos que vou vendo e observando por este mundo fora. Foi um trabalho difícil, quiçá perigoso, mas alguém tinha de o fazer. 

Obrigada ao Luís pelo excelente comentário que entrou directamente para a lista. 

 

Ingredientes:

 

- Humor

- Ironia

- Sarcasmo moderado

- Observação Alheia (por vezes com uso de óculos)

- Recursos a fontes externas de informação

- Imagem retirada da Google 

 

Texto isento de glúten, lactose e açúcares adicionados. Apto para diabéticos, grávidas e lactantes. Consumir com moderação e não ler no local de trabalho. 

5 comentários

Comentar post