Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Caracol

Um blogue pseudo-humoristico-sarcástico. #soquenão #ésóparvo

Eu? Como assim eu?

Atingi o auge da minha carreira fit (se é que isto existe). 

Já fiz muita coisa nesta minha vida: já escrevi um livro, já plantei uma árvore e já tive um filho. Nunca, jamais, em tempo algum, pensei convencer alguém a mexer o rabinho. 

Há duas semanas fui confrontada com esta afirmação:

- Falas tanto em exercício que até me dá vontade de ir contigo. 

Apanhada desprevenida, repondo rapidamente: 

- Mas tu estás parva?! Tu és louca?! Eu passo a vida a ganir, a gemer que me dói e tu queres ir?! Quando começas?

Tenho uma ligeira tendência ao drama, não sei se já deram conta. Felizmente a minha colega (dos snikers à sobremesa) já sabe, pelo ignorou essa parte e focou-se apenas no essencial: começaria no inicio do mês. 

A primeira coisa que me passou pela cabeça, foi encomendar um treininho muitooooooo bom, em jeito de vingança pelo snikers que comeu sem remorsos, à minha frente, durante os 30 dias sem porcarias. Mas sou um pequeno bambi, a moça é franzina de cabedal, passa a vida a meter açúcar na veia para aguentar o exercício, pelo que a deixei sossegadita no seu sofrimento. 

(vamos ignorar que lhe estou a chamar fraquinha nas entrelinhas. Caríssima colega, se leres isto, cá beijinho, és a maior e isso passa. Sem ressentimentos, hã?) 

Aguentou-se muito bem a primeira semana, só gemeu até quarta da ressaca de segunda e no sábado não se queixou de dor associada ao exercício. 

Agora, o que me continua a surpreender é isto: como é que consegui esta proeza? Como é que eu, que passo a vida a queixar-me (literalmente), consegui convencer alguém a fazer mais por si? Pois, não façam essa cara, também ainda não cheguei lá. O que é certo é que almoça exercício como prato do dia e dia que gosta, que até é fixe. Era quem lhe batesse. Eu, claro, já me precavi, invoquei a minha autoridade de pessoa mais velha que a gaiata e consegui que me prometesse, a pés juntos, que nunca, jamais, em tempo algum, contaria as minhas figuras lá dentro.

Até porque para isso estou cá eu, não é verdade?

 

Atletas Anónimos - O Joaquim

Ora, ora, finalmente um homem decidiu vir dar duas de letra comigo! (Foi só a mim que isto soou estranho?) Estava a ver que só as mulheres é que eram atletas...

O Joaquim, compincha de ginásio, acedeu ao meu singelo pedido e concedeu-me dois dedos de conversa. Nunca treinei com ele, mas admiro-lhe a preserverança e coragem em enfrentar os desafios que lhe são propostos.

Atentem só:

 

Joaquim, diz me lá, há quanto tempo frequentas o ginásio e porque decidiste começar?

 

Frequento o gináio desde Abril de 2016. Decidi começar a treinar por ter excesso de peso e por motivos de saúde.

 

Mas já fazias desporto ou começaste do zero? (fazer zapping no sofá, não conta...)

 

Comecei do zero!

 

E gostavas de exercício e "não tinhas tempo" ou odiavas mexer-te?

 

Sempre gostei muito de desporto. Jogava futebol de salão com os meus amigos, uma vez por semana, mas depois da minha filha nascer fiquei um pouco sem tempo e, claro, comecei a engordar. Recentemente fazia caminhadas e corridas nos passadiços à beira mar.

 Mais do que eu, que só fazia natação para bebés. Como conseguiste (e vais conseguindo) inserir o desporto na tua rotina diária/semanal?

 

 Quando andava a correr nos passadiços, já corria de Espinho a Miramar e de Miramar Espinho. Cheguei a perder muito peso nessa altura, aí há três anos, mas ganhei líquido no joelho direito e tive que parar.

Agora já estou bem.

O trabalho que tenho, permite que possa ter algum tempo para ir ao ginásio. Quando tenho o dia livre vou durante o dia, à tarde ou de manhã, para poder estar com a minha filha e com a minha mulher ao fim da tarde. Quando ando a trabalhar vou ao fim da tarde levar as tareias da Cátia.

 

Não falemos de tareias, por favor, já passou uma semana da última e ainda estou marcada. Em termos de dia a dia, situações do quotidiano, notas que o exercício regular te trouxe mais qualidade de vida?

 

Claro que sim, é muito bom nos sentimos em forma, a auto estima está em alta sinto me muito feliz!

 Sei que, por razões de saúde, não pudeste participar na corrida do demo lá da terra, que seria um dos teus objectivos para este ano. Tens mais algum?( Seja em exercício ou em peso)

 

O meu principal objectivo é ir a Fátima a pé e talvez, se me sentir bem, fazer alguma prova com o pessoal lá do ginásio. Quanto ao meu peso, não quero perder mais sinto me muito bem.

 

Apesar de praticares desporto antes, a tua atividade física regular é recente. Fala-nos um bocadinho dessa rua experiência. O bichinho entranhou logo? Ou ainda esteve a marinar um pedaço?

 

Nunca tinha frequentado nenhum ginásio, não sabia o que estava à minha espera. No primeiro treino com o Madu, sem fazer grandes exercícios, senti-me mal, quase desmaiava... (mesmo!) Senti-me mesmo muito mal, o Madu deitou-me no chão, abanou a toalha para fazer vento e fiquei mais aliviado. Pensava que não iria conseguir continuar, mas o Madu disse que era normal sentir-me assim porque não estava habituado. Foi um começo um pouco mau, mas a minha vontade de perder peso era enorme e com determinação consegui melhorar dia para dia. Primeiro na sala de musculação e depois as aulas da Cátia. Ai as aulas da Cátia! No princípio andava sempre espalmado, depois habituei-me e tornou-se vício até hoje!

 Conheço o vício... Felizmente ou infelizmente, ainda estarei para conseguir determinar. Imagina agora que do outro lado do ecrã, nos lê um preguiçoso do pior, enquanto enfarda alegremente um pacote de batatas fritas. Como o tentarias convencer a ir contigo ao ginásio?

 

Tentaria convencer com a minha mudança. Mostraria as fotos de quando era mais gordinho para ver o resultado e convencendo que  pode alcançar resultados rápidos, com muita força de vontade e determinação.

 

Já aconselhei algumas pessoas! Elas viram-me mais magro e perguntaram o que eu fiz para emagrecer!

 

Um grande obrigada Joaquim, por este bocadinho e por teres  aceite o convite tão rapidamente!

Diário de uma preguiçosa aspirante a fit #15

Esqueçam tudo o que sabem sobre as teorias de fim do mundo. Esqueçam os Maias, a religião, a ciência que diz que será o sol a explodir e a trazer o Apocalipse. Esqueçam as teorias da conspiração sobre o ambiente, o buraco do ozono, o aquecimento global. O fim do mundo não virá assim, virá sobre a forma de barras de ferro e discos de peso.

Tive essa visão, clara como a água, durante uma aula de power (ou body pump, para quem quiser pesquisar sobre o assunto). E escusam de vir já atirar que estou a exagerar, que estou a dramatizar e rebéubéu pardais ao ninho, aquilo são as profecias apocalípticas reconstruidas para um mundo fit. Não acreditam? Eu provo-vos, seus descrentes:

I) O aquecimento

Ninguém suspeita o que vem atrás daquilo. Dão-nos uma barra enganadora, qual lobo com pele de cordeiro, ficamos ali a suspeitar que se calhar se enganaram, que até podíamos com mais um bocadinho, mas ficamos de biquinho calado, respeitando em silêncio a mãe dos pecados, a preguiça.

Onde está o fim do mundo nisto? Em 1970, ninguém acreditava em malefícios aerossóis e dióxidos de carbono, pois não? Então pronto, não discutamos factos óbvios.

II) Carga Máxima

Sabem aquele ditado, com base religiosa, que diz que só temos a carga que podemos suportar? O power não é assim. O power é um bicho cheio de dor (pudera!), da crónica, que só obtém alivio com pastilhas no bucho. E está nem aí para a vossa capacidade física de aguentar com os benurons (2,5 kg) brufens (3.5 kg) e aulins (5 kg) desta vida. Não subestimem os números: 13 kg no costedo e vêem mais estrelas do que se tivessem consumido cogumelos dos bons.

Fim do mundo nisto? A indústria farmacêutica vai fumegar quando perceber que tem concorrência de peso. Depois digam-me que não tenho razão, quando o preço do ibuprufeno disparar em flecha.

III) DE-VA-GAR

Não pensem que já acabou, não senhor, chegamos agora à melhor parte! Os slows. E escusam de divagar, porque quem comanda a dança é a barra e com pulso de ferro! Quem diz que a mente comanda comanda o corpo, claramente nunca teve 7 kg nos bracinhos para içar de-va-ga-ri-nho. Saudades dos burpees naquele momento, que o Senhor lhes dê muita saudinha. Aliás, houvesse uma seita de saltos e saltinhos e tinham ali uma ovelha seguidora para todo o sempre. Mil avés aos trampolins desta vida.

Onde está o apocalipse? Experimentem lá perder a força nos cotovelos durante uns peitorais de-mo-ra-dos e depois venham falar comigo.

Ainda não estão convencidos? Ainda acham que isto é capaz de ser divertido? Uma palavrinha para vocês: tremores. Não são de terra, mas se fossem rebentavam com a escala de Richter de certezinha. A meio desta beleza cinzenta e preta, já não somos 70% de água, somos 80% de gelatina. E da boa, a julgar pelo frenesim de treme-treme muscular. Tenho para mim que o nome Power, vem precisamente daqui, dos tremeliques, porque aquilo dura e dura e dura e dura.... Um par de horas depois da aula, ainda sentia os presuntos a pulsar! Não sei como aguentei a tarde toda de trabalho e chicoteei-me várias vezes por não ter usado o voltaren como gel de duche. (Fica a dica, não precisam de agradecer.)

Posto isto, poderia ter ganho algum juízo, que já tenho idade, mas não, inscrevi-me para uma maratona de cycle. Duas horas, numa bicla estática. Cheira-me que vamos subir o Evareste e com um jeitinho ainda vamos aos Pirenéus ver a vista. Se sobreviver, conto a história. Se não... Olhem, gostei muito deste bocadinho!...

 

 

A Cátia

Hoje quero dar-vos a conhecer a Cátia, instrutora lá no ginásio que frequento. A sua pessoa está inerente em vários textos deste estaminé, como o do jump, da aula surpresa, dos primeiros 5km e de forma mais direta na entrevista da Claúdia, mas eu tinha prometido e as promessas são para cumprir. Além de que, ela merece de facto que lhe dedique umas palavrinhas.

Não a conheci logo aquando a inscrição - graças a deus e a todos os santinhos, que aqueles primeiros treinos com senhor Madú deram-me cabo do costedo, nem quero pensar se fosse ela a "apresentar-me" ao exercício - só mais tarde e da pior forma possível: sozinha, na sala de musculação e sem ter por onde fugir. Meu deus, que tareia! Só de lembrar já doem os músculos todos.

Confesso que não tinha esta ideia de sôdona Cátia, vi-a na recepção uma ou duas vezes e tinha a ideia que até era boa rapariga... Até me mostrar o saltos e o trampolim.

Logo nos primeiros dias, apenas conhecia o Madú enquanto instrutor, a sua fama foi-me apresentada:

- Vamos tentar elaborar o teu plano de treino esta semana. A ver se a Cátia trata disso... Cuidado, ela é dura!

Completamente ko, sem fôlego sequer para dizer um "ai", perguntava-me como raio era possível haver alguém ainda mais duro que ele. Felizmente, acabou por não ser ela a elabora-lo, a Ana fez o favor de me fazer um bastante ruinzinho, tanto que o senti gravado a ferros no corpinho durante aquela semana.

Naquele instante, na minha cabeça, formou-se esta imagem:

 

 

Mas saiu-me isto:

 

 

 

 

 

E digam-me, quem é que resiste àqueles olhinhos? Ninguém, pois claro! Quem sofre? Nós, pois claro! 

"Oh, só vais fazer cinco quilómetros? Faz sete, anda lá...." Ou ainda: "Faz lá aí uns abdominaizinhos, num instante, só para acabares." E tu pensas "Olha que carago, hã? Eu já tinha acabado...", mas lá cedes e fazes, mesmo que te amaldiçoes o tempo todo.

Não faz por mal, sei que não, aquilo está-lhe no sangue. O exercício corre-lhe nas veias e quanto mais rápido, demoníaco e insano for, mais dinâmica se torna. É verdadeiramente impressionante! Ponham-lhe um trampolim aos pés e é vê-la numa excitação aos pulinhos de contentamento. É capaz de dar uma aula toda a rir, enquanto salta freneticamente de um lado para outro, pega em halteres, saca o TRX do bolso, faz umas pranchas, salta mais um bocadinho, mais uns abdominais, uns agachamentos... E podia continuar, porque a Cátia não pára. Literalmente.

E se acham que ela precisa de instrumentos de tortura para vos pôr a chamar pela mamã, estão muito enganadinhos. Tremam (ou fujam, se tiverem tempo) quando virem uma sala despida de material: vão usar o vosso corpinho e comer as passinhas do Algarve com ele. Digo-vos eu, que prefiro uma bolinha de 6kg, ao peso do meu tronco. Ou do meu rabo. Também escusam de se preocupar muito com números: independentemente do que fizeram, vão repetir mais oito, para saberem o que é bom para a tosse. Não importa se já fizeram vinte flexões de braços ou se já aguentaram dois minutos em prancha. Há sempre mais oito, sejam repetições ou segundos.

Fora tudo isto, a Cátia tem um grave problema: é impossível não gostar dela. É praticamente nula a hipótese de sair de uma aula dela e não querer voltar para a seguinte. Mesmo que vás para o balneário a rastejar. A Cátia é a heroína do fitness: quando mais ela te dá, mais tu queres. Quanto mais ela pede, mais tu fazes. É irresistivelmente viciante. Se neste momento gosto efetivamente de mexer o corpinho, é ela, em parte, a responsável. Se eu conseguir não ficar a meio da Petrus, sou gaja para lhe dar um abraço. Ou então não, que abraços transpirados é capaz de não ser lá grande ideia.

Se comecei este texto a agradecer aos deuses não a ter conhecido logo de inicio, termino a agradecer tê-la na minha jornada de aspirante a fit. E olhem que não é fácil, nada fácil, levar com um cromo como eu que, além de descoordenada, destrambelhada e preguiçosa, ainda tem a mania que é engraçada.

 

 

Atletas Anónimos - A Claúdia

Hoje, aqui na taberna, temos uma compincha do ginásio, a Cláudia. Além de incentivar pessoas a cometer loucuras, como aulas de jump e corridas de 10km, também é capaz de falar só com bonequinhos do facebook. E isso merece todo o nosso respeito. Isso e a força de vontade, como poderão comprovar de seguida. 

 

Iniciei no gym a 9/10/14. Pronto, fiz a inscrição vá... Ate ao final desse ano, devo ter ido umas 10/12 vezes treinar....não te sei precisar... Iniciei no gym numa de brincadeira com uma colega de trabalho que também queria ser fit. Os primeiros meses foi mesmo naquela....vamos hoje, amanha já não vamos, no dia a seguir não apetece....estas a ver o filme, né? Desde pequena que tenho excesso de peso, mas o crítico mesmo foi desde que comecei a trabalhar. A falta de horário para refeições... Cheguei ao peso mórbido de 110 kg.... E achava sempre que nunca tinha tempo de fazer fosse o que fosse por mim....se é que me entendes....

Apesar de entrar no gym numa de "brincadeira", a verdade é que eu já há muito tempo que o queria fazer, para poder perder peso, mas os complexos, a insegurança e a preguiça nunca me tinham permitido, assim como a suposta "falta de tempo".

E depois tens aquele factor: começas a ir acompanhada, mas de repente a tua colega decide ir só quando lhe apetece....e quase nunca lhe apetece. E tu tens duas hipóteses: ou perdes a vontade de ir ou lutas contra as tuas vontades e vais...mesmo com toda a insegurança e "medo".

 

Mas não perdeste motivação e isso é que importa. Como a consegues manter?

Epá é difícil, acredita, mas cada vez que penso que pesei 110 kg e vendo fotos desse tempo leva-me a não querer voltar a estar assim. E o facto de gostar de como estou agora leva - me a não desistir e seguir em frente.

 

Nunca pensas em adiar um treino? Em deixar para amanhã porque hoje não te apetece?

Claro que sim, não sou de ferro....Mas não o posso fazer. Acordo e penso hoje não me apetece nada sair da cama... Mas depois lembro-me da Cátia, dela a dar-me cabo do juízo e penso "não, tenho de ir treinar." Tem mesmo de ser e o que tem de ser tem muita força.
Eu também era como tu.Aliás, em várias alturas da minha vida fui bastante fraca e sem amor próprio, mas depois cresces....E falo crescer em termos de maturidade e não físicos. Aprendes que acima de tudo primeiro tu e para te sentires bem contigo tens de fazer o que gostas e te faz bem. O gym faz-me bem em termos físicos e psicológicos. E eu adoro! 
 

(Vou ignorar, deliberadamente, que me chamaste fraca nas entrelinhas. Vai sair-te caro. :P)

Quanto pesas agora? 

Neste momento 83, porque vacilei. Já estive nos 77, mas após duas semanas de férias foi o terror e aumentei peso....O meu objectivo é chegar aos 70/75 kgs até ao verão ou antes.

Tenho lido que há uma parte do peso que é fácil de perder, mas que com o passar do tempo se torna mais difícil. É verdade? Demoras mais tempo a obter os resultados que procuras?

Sim, é verdade. No inicio perdi facilmente em 6 meses 30 kgs. Mas depois tornou-se mais difícil e o facto de ter vacilado levou-me a aumentar novamente o peso. Nesse meio ano aliado ao gym fazia também uma dieta onde cortei por completo hidratos, leite, pão, cereais, iogurtes....Basicamente só comia carne, peixe, legumes, frutos secos e bebia muita água.

Como conseguias manter a variedade de refeições? Eu olho para o que descreves e vejo SEMPRE a mesma coisa...

Basicamente, era sempre o mesmo, sim, mas a forca de vontade era grande. 

A Claúdia de antes

 

Além dos 70kg, que irás ter até ao Verão, tens mais algum objetivo para este ano?

Epá acima de tudo ser feliz! Gostava de mudar outras coisas, mas a ver vamos... Quem sabe não me sai a sorte grande? 

Tens uns horários um bocado alucinados, já percebi. Como conseguiste - e continuas a conseguir - inserir o ginásio na tua rotina diária?

Bem, eu ora abro, ora fecho, portanto: quando abro faço gym depois do trabalho, quando fecho faço antes. Nas folgas treino de manha e à tarde. 

Antes do gym, ocupava as folgas e as manhãs ou as tardes antes/depois do trabalho a dormir. Basicamente, passava os dias a comer e dormir. Uma vez por outra até saía para um café com um amigo ou familiar, mas o normal era dormir o dia todo. Passei a ocupar esse tempo de preguiça a treinar. Quando antes pensava não ter tempo para nada, muito menos treinar, achando que o tempo que passava na preguiça era precioso. percebi que o corpo e a mente também precisam de descanso, mas na medida certa, nem muito nem pouco. Aprendi a gerir esse tempo.

Em termos de resistência física, notas muita diferença?

Sim, claro, ao inicio corria 2 minutos, se tanto, e quase morria....hoje orgulho-me de conseguir correr 10km! 

 Ao inicio não aguentava quase nada, mas com o passar do tempo e a perda de peso, tenho bastante mais resistência do que antes. 
 

Imagina agora que do outro lado do ecrã tens uma pessoa pachorrenta, tipo eu, que está a ler isto enquanto emborca um pacote de batatas fritas bué gordurosas. Como a tentarias incentivar a ir contigo ao ginásio?

Bem, primeiro não adianta tentares persuadir ninguém a levantar o cu do sofá, sem que essa pessoa esteja disposta a tentar sequer. Até porque eu sei o que isso é, já passei por essa historia toda. Sei que por mais que me dissessem que eu estava gorda (não gosto nada desta palavra....), apesar de achar o mesmo não "queria" fazer nada para contrariar tal argumento. Se é que me entendes.... No meu caso teve de haver aquele click no cérebro para eu acordar para vida e querer lutar por mim e pelo meu futuro.

Mas bem,o que eu diria é o que eu te digo a ti para vires a uma petrus*: anda tentar, desafia te a mudar, a tornar o teu futuro diferente.

Eu sei que já falaste em cima, mas, além de ti, que o mérito é só teu e todo teu, queres deixar umas palavrinhas a alguém?

 Não o mérito não é só meu, faço sempre questão de dizer. Graças à Cátia eu ainda continuo a lutar por mim e foi graças à insistência dela que eu comecei a treinar a sério e consegui os objectivos iniciais. Foi graças à amizade dela, à preocupação, insistência e persistência dela que eu comecei, continuei e continuo.... É uma grande mulher mesmo.

A Claúdia de agora. E não a viram em cima de um trapolim, com dois pesos em cada mão. 

Claúdia, amore, és grande! Muito grande mesmo! Prometo tentar acompanhar-te, mas não está fácil... ;) Uma grande beijoca. 

 

*A Petrus é a minha última loucura, a tal corrida de 10km. 

Só eu... #10

Ontem, depois de uma semana parada dada a gripe que de mim se apoderou, retomei o ginásio.

Ia cheia de genica, toda apressada porque já ia atrasada (de novo) e vá de ir buscar o peso num instante.

Durante uns segundos passou-me pela cabeça pegar no disco de 2.5kg, mas depois pensei: "não! Não sejas fraca. Leva este de 5.5."

Chegou até mim uma admiração qualquer, que não percebi muito bem, mas soou a algo como: "onde vais com esse peso todo?!" Fiquei um bocadinho inchada de orgulho, mas foi coisa que me passou rapidamente, sobretudo por me sentir a abafar depois de meia dúzia de saltos.

Houve ali um momento, ao olhar à volta, em que me pareceu que o meu disco era menor, em diâmetro, mas teria com certeza mais espessura, em altura. Ignorei aquela sensação de que algo estava errado e continuei a aula.

No momento em que precisamos de trabalhar com disco, reparo que o meu diz 2.5kg. Oi? Então mas eu peguei no de 5.5... Viro disco e lá estão 5.5...Lbs.

Olha que bem, hã?

Não me bastava este lapso, ainda levo com um irónico "enganaste-te, enganaste-te. Eu sei que te enganaste." da instrutora quando me trocou o disco.

É oficial: a minha fama de preguiçosa precede-me. :D

Vais para o ginásio em 2017? Leva esta lista na mente

De todas as resoluções de Ano Novo, a que mais se destaca por esse mundo fora é a ida para um ginásio.

Acho muito bem, a malta precisa de se mexer, o exercício faz bem à saúde e tudo e tudo, mas a verdade é que também é das resoluções que mais se vai protelando ou que termina ainda antes de ter começado. Compreendo, não é fácil combater a preguiça e trocar o sofá pela passadeira. Daí que ache que esta listinha vai ser muito útil a quem tenciona começar o ano 2017 com algum exercício.

 

1. Deixa sempre o saco pronto de véspera

Parece uma banalidade, algo óbvio que jamais te esquecerias, mas não é. É fácil, na correria do dia a dia esqueceres que ainda tens o saco para preparar. É ainda mais fácil aceitares essa desculpa "ah, hoje não vou, não tive tempo de arranjar as coisas". É mais prático deixa-lo pronto de véspera e colocá-lo em sítio visível ou logo na viatura, em caso de preguicite extrema. 

 

2. Estabelece objetivos concretizáveis

Se vais iniciar uma rotina de exercício o mais certo é que te sintas enferrujado nos primeiros dias. Por muita motivação que tenhas, resiste àquela vontade de começar muito depressa e muito de força. Ninguém vai a Roma num dia. Não queiras começar logo a correr 10 km e pegar em barras de 25kg, além de ficares com uma dor de cruzes do caneco, vais ficar desmotivado por não conseguires.

 

3. Esquece o tempo

Não há nada mais desmotivante para um caloiro de ginásio do que tempo. Em qualquer máquina, em qualquer exercício lá está ele, o sacana do relógio que teima em contar contra nós. Quem nunca olhou para o cronometro e pensou: "Cinco minutos?! Como ainda só passaram cinco minutos?! Parece que estou aqui há duas horas!!!!" Tapem o relógio com a toalha, não se foquem em tempos. Pelo menos não nos primeiros dias.

 

4. Foca-te nas coisas boas

Há sempre lados positivos, até num ginásio. Estás a malhar no duro, pensas que acabaste de conhecer o inferno e que já não aguentas mais? Lembra-te do banho, que é sempre algo reconfortante. O número de repetições daquela série deixou-te a morrer? Lembra-te do que conseguias fazer antes, certamente seria menos. Há sempre, sempre, algum lado positivo, só tens que o encontrar e focar-te nele.

 

5. Pede ajuda

Ninguém nasce ensinado. Não é vergonha nenhuma não saberes como funciona determinado aparelho ou como realizar um determinado exercício. É exatamente para isso que estão lá instrutores: para ajudar e orientar durante os treinos.

 

Se chegaram até aqui e continuam motivados a inscreverem-se num ginásio, estão no bom caminho! Agora é só mesmo aplicares as dicas e deixares a preguiça em casa. Força nisso!

 

 

 

 

 

Diário de uma preguiçosa aspirante a fit #7

Terça, como sabem, tive avaliação física. Pensei eu que se iam fazer umas medições, avaliar o peso, as massas e o que mais fosse necessário, mas não! Pois que também íamos elaborar o plano de treino. Para isso, imagine-se, tinha que o fazer ao mesmo tempo que a monitora o elaborava.

Bem que devia ter desconfiado quando me disseram ser necessário levar equipamento.

Em números, não estou assim tão mal:

 - 57,800 kg

- 24,2% massa gorda (achei que seria mais)

- 35,2% massa muscular (ui, tanto!)

- 1,9 de densidade óssea (esta causou tanta estranheza à monitora, que quase achei que me desse direito a um atestado de incapacidade física para o exercício. Afinal não.)

Ainda se rabiscaram mais uns valores, mas não fixei o que seriam, pelo que, calculo, não deverão ser muito importantes.

A seguir, foi medir busto, abdominal, anca, braço e coxa. Tudo dentro dos parâmetros considerados normais.

Estavam à espera dos centímetros, não estavam? Não memorizei, mas não era 80-60-80, até porque não tenho assim umas catarinas tão avantajadas.

Podíamos perfeitamente ter ficado por aqui, a senhora elaborava o meu plano de treino, com carinho e dedicação, eu ia à minha vida. Mas não! Que queria ver a resistência, testar o limite e impor metas. Resultado? Cheguei ao fim com a sensação de ter sido atropelada por uma manada de gnus, as leoas que os perseguiam e pelas hienas que vieram para os restos.

Começamos pela passadeira, 20 minutos, alternando corrida com marcha. A coisa correu bem os primeiros 7 minutos, antes de atingir o máximo de velocidade e sentir que me ia esbardalhar a qualquer momento. Consegui aguentar até fim, mas não sem me sentir um bocadinho cão de Pavlov: apita-corre, apita - marcha, apita corre, apita-marcha. .

Seguiu-se um circuito de exercícios, só para manter o ritmo e trabalhar os mais variados músculos. Alguns dos quais desconhecia a existência e ainda não lhes reconheço utilidade a não ser para a dor do dia seguinte.

Dizia eu que se seguiu uma série de exercícios: 15 agachamentos com peso, 15 lounges para cada perna, 15 repetições numa das máquinas de pernas e mais 15 a subir e descer os calcanhares tendo a ponta do pé apoiada no Step. Três vezes este circuito, só para não esmorecer. De todos, o último é o melhor, assim como assim sempre parece que sei fazer alguma coisa, quando na realidade parece que não faço praticamente nada.

Quando eu já estava pronta para o banho, sou recambiada para o trampolim. Rais parta a minha sorte! Se algum dia vos passar pela cabeça que o trampolim pode ser divertido, lembrem-se destas sábias palavras: o trampolim é o primogénito do demónio. Um minuto naquilo e prometemos nunca mais dizer mal dos halteres.

Só para terminar em beleza, não tendo eu já o meu coração mais descompensado que o DJ da Maria Leal, 100 saltos à corda, a pés juntos, e repetição do circuito trampolim-salto à corda.

De modos que é isto que me está reservado às horas de almoço. Se chegar ao natal e não tiver chegado aos 24,5% de massa gorda, enfardo um bolo rei sozinha só para curar o desgosto.