Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Caracol

Um blogue pseudo-humoristico-sarcástico. #soquenão #ésóparvo

Sou fit! E agora? #5

Não quero saber. Sinto-me bem, noto diferença na roupa, na agilidade, nas tarefas do dia a dia... Tudo o resto não me interessa.

 

Foi o que sempre apregoei aos sete ventos.

E é verdade, atenção. Só deixa de o ser a partir do momento em que pedimos uma reavaliação física, vá deus nosso senhor saber porquê.

Se eu fosse esperta, tinha esquecido esse assunto nas férias - mesmo que duas alminhas fizessem questão de me recordar diariamente. Sim, estou a falar de vocês. 

E depois... Bem, depois a curiosidade é uma das minhas características. Como estarei? Será que diminui a massa gorda? Hmm, duvido. A julgar pelas porcarias que enfardo... E a muscular? Tenho isdo muitas vezes ao ginásio... Será que se nota?

Eu já suspeitava que não ia estar lá grande coisa... Mas suspeitar é uma coisa, confirmar é outra. Depois de duas semanas sem fazer nenhum, subi ontem à balança (era quem me desse dois pares de estalos por ter esta rica ideia), os resultados são estes: 57.200kg (menos 600gr); massa muscular: 33% (menos 3%); massa gorda: 25% (quase 1% a mais). Os dados anteriores datam de outubro passado (podem reler aqui).

Se me arrependo de não ter exercitado nas férias? Nem por um segundo. O tempo passa a voar, a qualidade de tempo que temos nem sempre é a melhor e as férias são exactamente para compensar isso. Para viver mais devagar, sem pressa. 

Arrependo-me sim, de não ter mais juízo nesta cabeça esgroviada e não ter fechado mais a boca. E não me venham dizer que isto é das férias. Não era sem duas semanas que fica PIOR do que em outubro. Se, naquela altura, ia duas vezes por semana ao ginásio, como raio é que ao ir quatro a cinco vezes por semana a balança me apresenta estes resultados?

Escusam de responder, eu sei a resposta.

O melhor de tudo é o que os olhos não vêem. 

Digo isto n vezes. É verdade. Até porque quando vês só te apetece cortar os pulsos. 

Quando volto a subir à balança? NUNCA MAIS: 

Ou pelo menos, não tão cedo. Lá para 2020, parece-me bem. 

Agora vou ali acabar com caixa de lenços de papel, enquanto enfardo umas cenouras cruas.