Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Caracol

Um blogue pseudo-humoristico-sarcástico. #soquenão #ésóparvo

O estranho caso das pipocas

Andava eu a passear por essa blogosfera fora, quando reparo na quantidade de pipocas que lá moram.

É a mais doce, que também tem mais dois, a mais picante, e a arrumadinha. Ah, e porque à que agradar ao palato de todo o freguês, ainda há o mais salgado (é verdade, parece que também há pipocos... E eu a pensar que o milho não tinha género! Santa igorância!)

Caramba, isto é que é auto-estima! Podiam ser só doces, salgadas ou picantes, mas não, são mais qualquer coisa. Aqui só mesmo a arrumadinha mantém a modéstia e não se intitula de mais arrumada. É só arrumadinha, pronto. Gosta de ver ali tudo certinho e tal, mas nada de exageros, nada de ser a mais arrumadinha, que isso de lides domésticas dá muito trabalho e com certeza que a sua casinha (a real, não a blogosférica) já lhe dá que fazer nesse sentido. Ou então, pode ser a pipoca da vergonha, aquela que fica sempre para o fim, arrumada na taça e ninguém lhe toca, mas na realidade estão todos mortinhos por lhe pôr o dentinho. 

Tanta pipoca, fez-me lembrar o Snoopy. Na minha rua, quando era mais nova, havia tanto Snoopy (ou Snupe, como diziam os velhinhos) que cheguei a equacionar hipótese de se tratar de uma epidemia. Digam-me, foi assim que surgiu tanto milho estalado? Foi uma epidemia? Um vírus? Foi moda que pegou, assim como as popas nos anos 80? Hmmm, talvez. Ainda assim, e no meio de tanta pipoca-mais-qualquer-coisa, saliento que faltam: a mais rápida, a mais lenta, a mais saltitante, a mais caramelizada, a mais amanteigada e a mais achocolatada. Quem diria que haveria tanta qualidade de pipoca! Estou, deveras, surpreendida!

 

Pequena nota:  este texto refere-se única e exclusivamente aos nomes dos blogues e não ao seu conteúdo.

 

 

 

 

1 comentário

Comentar post