Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Caracol

Blogue com informação crucial à sobrevivência.

Não leiam se ainda não viram o episódio de ontem

Estou a avisar e só estou a fazer paleio fiado porque na partilha do facebook aparece parte do texto.

Não viste? Não gostas de spoilers? Fecha a janela enquanto é tempo. A partir daqui há spoilers e dos grandes.

Eu sabia, eu sabia, que havia alguma coisa muito errada com aquelas gajas. Não podiam ter só maus penteados e ar pouco lavado, não!, tinham que ser umas cabras. Do pior. Umas cabras do pior! Estou mesmo danada, caramba! Levei um baque quando as vi a mudar a posição de ataque, uma parte de mim quis avisar o Rick, mas de nada me valia gritar para a televisão, pelo que fui buscar os lenços de papel. Avisinhavam-se muitas lágrimas. Não pelo brilhantismo do episódio, eram bastante previsiveis parte dos acontecimentos, mas porque sou uma choramingas do pior. E porque não estava mesmo a contar com aquela reviravolta, dez minutos depois do começo.

Ainda não se tinha visto nenhum defunto querido e já eu suava em bica, na expectativa sobre quem recairia a Lucille. Suspeitava do suicidio da Sasha, que teve a lucidez - felizmente - de não o fazer mais cedo. Não estava a vê-la transformar-se num Negan, ficaria até desapontada se o fizesse, não fazia parte dela, dos seus valores e da personagem que nos habituou.

Já se esperava também uma raconsideração por parte do rei Ezequiel, que apareceu - adivinhem - na hora H. Era previsivel, claro. E o raio do tigre que sabia exatamente quem atacar? Bem amestrado o bicho. Só eu ando a tentar ensinar o Cusco a trazer-me o cesto das molas, enquanto estendo a roupa, sem qualquer sucesso. Culpa minha, se tivesse um tigre em vez de dois cães pachorrentos, com sorte não só me trazia o cesto, como ainda estendia e apanhava a roupa.

Sofri um bocado dos nervos quando caiu alguém da varanda. Nos entretantos, lembrei-me que se fosse mesmo a Michonne a falecer, a coisa seria mostrada sem demora e com sofrimento para o espectador.

Grande, grande, salva de palmas ao Negan. Caramba, adoro aquele fulano. Parte de mim queria que ele morresse já ali, que o fizessem desaparecer para sempre, enquanto outra parte cedia ao seu charme e pedia aos deuses todos que não o levassem. É muito cedo e um vilão com esta categoria, merece mais tempo de antena. Não é fácil ser-se vilão e Jeffray Dean Morgan fá-lo de forma absolutamente irrepreensível. É um amor-ódio levado ao extremo, sabes que é vil, que é mau e mesmo assim queres que se prolongue no tempo e no espaço. Fizessem um episódio apenas com um dircurso e devora-lo-ia com o mesmo entusiasmo de quem devora um pacote de oreos.

Tal como disse, não foi um episódio brilhante, não foi carregado de emoção, mas teve o suficiente para me colar ao ecrã durante 45 minutos. Foi o esperado ao longo desta meia temporada. Aquela mudança das gajas apanhou-me de surpresa, mas de outra forma a coisa seria demasiado fácil. Mais uma vez se prova: isto é sobre humanos. As gajas tinham um acordo com Alexandria, que anularam traiçoeiramente, refazendo-o com Negan. Conhecem algum zombie capaz de semelhante? Pois, eu também não, já pessoas...

No final, ficou-me a dúvida: o Dwight saberia ou não? O que é que vocês acham?