Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Caracol

Um blogue pseudo-humoristico-sarcástico. #soquenão #ésóparvo

Há coisas que me transcendem

 

 

Não meus amigos, não pensem que venho para aqui falar-vos de experiências transcendentais, sobrenaturais ou afins.

Nada disso.

Em boa verdade, há tanta coisa que transcende a minha compreensão, que penso seriamente criar uma rubrica com este nome!

Gostaram? Criar uma rubrica, num blogue com meia dúzia de meses... Isto é que pensar em grande! :-D

Bom, voltando ao tema: está para lá da minha compreensão, o dom da omnisciência que possuem algumas pessoas. Perdão, prodigios, raridades que há por aí, sem que ninguém nelas repare. É um ultraje, uma infâmia, que erradamente lhes chamemos "más-linguas".

A quantidade e qualidade de informação que passam, através dos vários dons, quais deuses da bisbilhotice alheia, é tal, que, por vezes, chegamos a duvidar da nossa própria vida!

Por exemplo, eu já fui posta fora de casa pelo homem, ao fim de duas semanas de casamento! Pior: bati desalmadamente à porta, furiosa por nem sequer me ter deixado trazer as malas e os sapatos, pondo a música em altos berros para não me ouvir, até que desisti e fui embora. (*) Só para verem o poder destes prodigios: eu não sabia que isto tinha acontecido. Nem o homem. Muito à frente, saberem de coisas que nem os próprios sabem! Quais videntes, quais feiticeiras, qual quê! Estas pessoas talentosas é que sabem! Aliás, nem sei como não se cobram por estes serviços, tão úteis à nossa sociedade! São umas benfeitoras! Já consigo imaginar os cartões de visita: "Albertina Miranda. Tudo o que sei, vejo da minha varanda." Ou "Antero Sobral. Tudo atinjo através do meu quintal". Bonito. Depois, se precisarem, aqui a Caracol trata-vos da redes sociais e conheço uma pessoa espetacular com muito jeito para os grafismos, se quiserem assim uma coisa gira e em grande. É só dizerem! Ou mandarem dizer, que também é usual.

 

* Cenário real: o homem, depois de 12 horas de trabalho, aterrou no sofá. Sabe-se lá porquê, naquele dia, fechou a porta por dentro, impossibilitanto qualquer entrada em casa. O som que saía de casa, eram os telefones a tocar, já que socorri de tudo que fizesse barulho. Ao fim de algum tempo, desisti e enviei-lhe sms a avisar que iria para casa dos sogros (onde era suposto irmos almoçar), quando acordasse, que fosse lá ter. Só isto. Bem vistas as coisas, a outra versão é bem mais engraçada. O que, assim de repente, me lembra outra vantagem deste dom: divertem-nos. :-)