Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Caracol

Um blogue pseudo-humoristico-sarcástico. #soquenão #ésóparvo

Há coisas que me transcendem #4

Pessoas que comem francesinhas sem molho

 

Há dias, em conversa com a caríssima cunhada, esta confessou-me que não come francesinha com molho.

 

- Mas porquê? - pergunto assumindo que teria, com certeza, escutado mal.

- Porque não gosto. É estranho o molho e não gosto nada daquilo... - respondeu, em jeito de confissão.

- Então como é que a comes? Assim? Sem nada? A seco? - disparei, incrédula com semelhante revelação.

- Sim. - respondeu a cunhada, como se aquilo fosse tão normal como comer pizza sem queijo.

 

A sorte dela foi estar do outro lado da linha telefónica, senão acho lhe dava um enxerto de porrada e JURO que fazia comer uma francesinha, daquelas boas, ao jantar. Mesmo que não lhe apetecesse e fizesse birra. A ver se aprendia ou não aprendia a devorar a pequena francesa com gosto e com molho.

 

Mas como, COMO é que é possível alguém comer francesinha sem molho?!

Uma francesinha sem molho, é como uma pizza carbonara sem fiambre. É como Pudim de Abade de Priscos sem toucinho. Ou como bola de berlim sem creme. Não dá. Não funciona. Nem sequer devia ser permitido servirem sem molho e quem tivesse a ousadia, a infâmia, de a pedir assim, desmolhada, deveria ser multado e impedido de as comer durante um determinado período de tempo. Assim, sei lá, para o resto da vidinha. 

A francesinha precisa do molho, é ele que une e funde todos os delicados ingredientes. É ele que derrete o queijo que a enfeita. É nele que molhamos alegremente as batatinhas fritas. É com ele que salpicamos a roupita quando enfardamos que nem uns alarves.

Francesinha sem molho não existe. Não passa de uma sande branquela e sem graça.

E não me venham com a treta de que sem molho é que se fica a perceber ao que sabe, e que o molho disfarça os outros sabores e rebéubéu pardais ao ninho. Sabem que mais? O sabor da francesinha É o molho. Ora atentem: o queijo já todos sabemos ao que sabe; o fiambre, a linguiça e a salsicha idem; o bife só leva sal. Portanto, digam-me lá onde está a dificuldade de distinção de sabores da francesinha? É no pão por acaso? Onde está aquilo que a distingue de uma mixórdia de ingredientes colocados entre duas fatias de pão, de uma das 10 melhores sandes do mundo? Está no MOLHO, pois claro.

 

Aquilo são 3 AVC's servidos de bandeja, é verdade, mas caramba se é para ter 3 AVC's, mais vale aproveitar tudo! Não há cá mordomias, dietas ou gourmets numa francesinha! Quanto mais pesado melhor!

 

Aqui a Caracol aprecia a bela da iguaria com tudo o que tem direito: batatinha frita (não, meus amigos, o pão não tem hidratos de carbono suficientes ;), ovinho estrelado no topo e molhinho! Muito molhinho!  De preferência com a bela da Super Bock Stout para ajudar a empurrar a sandocha! Ou isso, ou Coca-Cola. Tudo em bom. Mas também, não se comem francesinhas todos os dias, não é verdade?

 

S., prometo um dia levar-te à melhor francesinha do Porto (a do Santiago) e rais me parta se não sais de lá a enfarda-las devidamente! :-P

(Mas só lá para dezembro, está bom? AVC's empratados não são a melhor dieta para grávidas.)

 

 

 

Francesinha apetitosa - para comer alegremente e sem peso de consciência ou contagem de calorias. Acompanhar com bebida do mesmo calibre.

 

 

 

Francesinha desmolhada, branquela e sem graça - NÃO pedir, nem comer. Não há bebida suficientemente má para acompanhar. Crime público e atentado à gastromia.

6 comentários

Comentar post