Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Caracol

Um blogue pseudo-humoristico-sarcástico. #soquenão #ésóparvo

Experiências #8

6:30 da manhã

Carolina liga a água para o seu duche matinal. Nas últimas três semanas, dormiu sozinha pelo menos três vezes por semana. Tomás prepara um julgamento importante e passa as noites em frente ao computador, a verificar detalhes sobre a defesa que tem montada. Uma vez e outra, relê os seus apontamentos e os seus processos. E ela prepara o jantar, mantém a casa habitável, preocupa-se com Maria, faz as compras online e recebe-as ao fim da tarde. O seu vibrador cor de rosa já não a satisfaz o suficiente. Precisa de toque. Despe-se e entra no duche. A água quente acalma-lhe os ímpetos e afasta-lhe os pensamentos pecaminosos. Toma um duche ligeiramente mais longo que o habitual enquanto revê o seu dia. Reunião às 10 da manhã com Luís e a direcção do canal. Às 11, o programa da Judite como habitualmente até ao início da tarde. Almoço na cantina do canal. A tarde ainda está liberta.

Vai à gaveta da lingerie especial. Hoje precisa de se sentir feminina e confiante. Escolhe um conjunto que comprou especalmente para o aniversário de casamento. Entra no closet e analisa as suas opções. Discreta, de cinzento? Não, hoje não. Arrojada, de preto e encarnado? Não, levou para a última reunião. Sexymas profissional, com a blusa laranja e a saia travada. É isso. O decote não é escandaloso, mas permite sonhar. Um colar que chame a atenção para aquela zona. O pendente comprido. Isso mesmo. E agora um casaco… O blazer sem botões. E os sapatos altos pretos. Perfeito.

Desce à cozinha, toma um pequeno almoço leve, apanha o elevador para a cave, entra no carro e conduz calmamente pelas ruas ainda semi-desertas. Às 7:30 estaciona o carro no lugar habitual e percorre o caminho até à sua secretária. Liga o computador e vai à copa preparar um café. Lá, Liga a máquina. Ser a primeira a chegar ao escritório tem vantagens, a copa está limpa só para mim, pensa distraídamente. Nesse momento, entra o estagiário, que a cumprimenta com um sorriso envergonhado. Responde educadamente enquanto a bebida fumegante sai da máquina. Pelo canto do olho, repara que o estagiário olha furtivamente para ela e sorri interiormente. Sabe-lhe bem saber o efeito que tem nos homens. E o puto não é assim tão feio, pensa para com os seus botões. Baixa-se para colocar o copo de papel no lixo e repara que ele lhe olha pelo decote. Demora-se um microssegundo a mais e afasta-se com um sorriso na cara.

A reunião é um pequeno sucesso, pois consegue argumentar com clareza e no fim ouve elogios à sua capacidade de trabalho e apresentação. Luís não tirou os olhos do seu peito, o que significa que a roupa foi adequadamente escolhida. Ao almoço, revê o programa da Judite e encontra um pequeno ponto a corrigir no dia seguinte. Propõe a Judite a alteração ao início da tarde na sala de visionamento e recebe mais um elogio à proactividade. À saída, antes das quatro horas, cruza-se com o estagiário e oferece-lhe um sorriso e um “até amanhã à mesma hora” que provocando um rubor intenso na cara. No ginásio, percorre o circuito de cardio sem se preocupar com a habitual trupe de gorilas a mirar-lhe o rabo enquanto corre na passadeira e faz elíptica. Chega a casa ainda antes das 18h com a sua filha, recebe as compras do Continente, veste roupa confortável, prepara um jantar leve para as duas e senta-se no sofá a brincar com a filha.

Às nove da noite chega Tomás, distante como sempre. Dá-lhe um beijo rápido nos lábios, informa que já jantou e recolhe ao seu escritório. Carolina deita Maria, pega no telefone e liga para Sofia. A amiga atende meio chorosa, tinha tido uma discussão com  o Manel e ele tinha ido para casa dele. Volta a vestir-se e vai ter a casa de Sofia. Decidem ir a um bar para espairecer.

No bar, encontra um grupo de colegas de profissão e troca duas larachas com a pivô da noite, enquanto Sofia conversa animadamente com o ex-jogador de futebol que faz a secção desportiva. Cerca de uma hora depois, nem Sofia nem o futebolista estão no bar e ela fica sem saber muito bem o que fazer. Quando se dirige para a saída vê o estagiário numa mesa de canto agarrado ao telemóvel.

 

* * * 

Texto da autoria de Mário Pereira 

 

 

Capítulos anteriores:

Experiências #7

Experiências #6

Experiências #5

Experiências #4

Experiências #3

Experiências #2

Experiências #1

1 comentário

Comentar post