Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Caracol

Um blogue pseudo-humoristico-sarcástico. #soquenão #ésóparvo

É O ÚLTIMO DIA!

É HOJE! Termino hoje o desafio dos 30 dias sem porcarias. Graçá deus! Misericórdia senhor, que nunca mais me apanham noutra.

Estou a exagerar, claro, isto faz-se. Custa, mas consegue-se.

Os primeiros dias são os mais penosos. As pessoas perguntam-te constantemente o que podes comer, se queres isto ou aquilo e tu tens que recusar e responder, uma e outra vez. É cansativo.

Depois vêm as alucinações: tudo o que vês se parece com porcaria. Lembram-se do granizo que caiu? Quando cheguei ao meu carro, julguei que tinha glacé de açúcar no vidro. Foi difícil resistir à vontade de lamber o pára brisas, mas consegui não fazer essa figura.

Finalmente, acomodas-te, habituas-te a isto. A ter o "não quero" sempre pronto, a evitar os corredores da tentação no supermercado, a ter sempre umas nozes à mão, para quando vier a gula. Aprendes a viver sem doçaria e percebes que não é assim tão mau. Não tens quebras de tensão, continuas a sobreviver aos treinos, arrisco até a dizer que notas um aumento de energia. Não significativo, mas subtil o suficiente para notares diferença.

Nestes trinta e um dias, houve situações que me custaram, em que pouco faltou para mandar tudo às urtigas, erguer a bandeira da derrota e sucumbir à tentação, mas no geral, posso dizer que aguentei bem. Aprendi a gerir melhor a gulodice - porque é disso que se trata - a substituir o açúcar refinado e orgulho-me de vos dizer que nem o mascavado entrou nesta boquinha. O único adoçante que usei, além da fruta, foi mel. Tirando isso, zero adoçante artificial. Posso afirmar que, de hoje em diante, pensarei duas vezes antes comer um snikers. Faz-me falta? Quero mesmo? Ou se virar costas o querer desaparece? No fundo, é pensar antes de comer e não comer e depois pensar.

Outra coisa que ajudou, foi tornar isto público. A partir do momento em que as pessoas se habituam ao ouvir "não", juntam-se a ti (algumas, outras estão constantemente a provocar a tua resistência, não é marido?) em pequenos gestos. "A frutaria recebeu umas maçãs ótimas", "olha esta receita, é sem açúcar!", "é melhor não ires ali... É difícil resistir". E assim por aí adiante...

Se aconselho? Claro que sim. É uma ótima forma de testar a nossa resistência (mental), aprender e reeducar o palato.

No final, vão ver como não é assim tão mau.

4 comentários

Comentar post